Terror & Vaudeville (EP #2 / 2015)

by Simplicio Neto & Os Nefelibatas

/
  • Streaming + Download

    Includes high-quality download in MP3, FLAC and more. Paying supporters also get unlimited streaming via the free Bandcamp app.

      name your price

     

1.
2.
3.
4.
5.
6.
07:34

about

Segundo EP dos NEFELIBATAS. OUÇA EM MÁXIMO VOLUME.

credits

released January 29, 2015

Produção: Sidney Honigztejn
Canções: Simplício Neto
Arranjos e Backing Vocals: Os Nefelibatas
Vocal Lead: Simplicio Neto
Baixo: Sidney Honigztejn
Teclado: Gabriel Ares
Guitarra Solo: Pedro Bonifrate
Bateria: Felipe Rodrigues

tags

license

Some rights reserved. Please refer to individual track pages for license info.

about

Os Nefelibatas Rio De Janeiro, Brazil

"Os Nefelibatas" é a mais nova experiência sônica de Simplício Neto, junto com seus parceiros musicais mais constantes. Na produção, guitarras e baixos, Pedro Bonifrate e Sidney Honigzstejn. Na bateria, Felipe Rodrigues, e nos teclados, Gabriel Ares. Pós-mpb, Trans-rock, Meta-folk e Pré-apocalipse. ... more

contact / help

Contact Os Nefelibatas

Streaming and
Download help

Track Name: Capital do Mundo II
"Na capital do mundo tá tudo barra limpa!" - Meteorango Kid, o herói intergalático (1968).

CAPITAL DO MUNDO - II (Simplício Neto)

1.
VERSE “A”
A / / G / Bb ( EM LOOP)
Na capital do mundo… tá tudo… tá tudo barra limpa.
Quem sabe? Graças aos heróis da Marvel…
Quem sabe? Eu fujo num Gurgel a diesel!!

VERSE “B”
D / C / A7 / C (EM LOOP)
Duvidando da Morte do Sol
Girando no Carrosel
Rejeitando a extrema-unção
Pulando o Carnaval

BRIDGE
C/Bb / G / C / D (EM LOOP)
Contando a todas as virgens do céu
Quais são os nomes de Satã
Polindo o ouro de aluvião

Dentro da boca das cortesãs..

CHORUS
G
Do Rio
A
Donas de um casario a beira mar
E7(4) C7(4) ( 3x)
Donas de escravos e mezanino – os

G A
Onde eu tentei me aconchegar
E7(4) C7(4) (3x)
Juntos com os gatos e os morce -- gos

2.

VERSE “A”

Na capital do mundo… quem sabe… você terá um emprego estável…
Quem sabe… casado com a boneca inflável!
Quem sabe… amigo do amigo invisível!

VERSE “B”

Aguardando a Morte do Sol
Aguando as flores do mal
Que crescem na escuridão
Do seu mausoléu de cristal

BRIDGE

Junto com as cartas de sua mãe
Junto com os sonhos de sua irmã
Junto com as coleções de seu pai
Junto com os castiçais dos avós…

CHORUS

E o Blues…
De um 78 rotações… presente de uma amiga
Alguém que tentou te aconchegar… junto com os gatos e os morcegos…
Track Name: Terror & Vaudeville
Se sua legião de anjos de cristal / Incendiar meus tigres de papel
Soldados de chumbo irão marchar para a invasão
Do seu castelo de areia / a jóia do bambuzal
Onde a jibóia passeia / Foge da cheia do rio
Fuja da chuva, é um toró do cão...
Onde a jibóia passeia / Foge da cheia do rio
Fuja da chuva, é um toró do cão!
Fuja da cruel.... expansão ... dos grandes negócios...
Da precessão dos equinócios
Aceite o chá de belladonna / Aceite a minha carona, Irmã...
Na minha lambreta / Ou no meu canguru
Que a sua bicicleta / Só cabe um chimpanzé / E uma salamandra
Num salto para o precipício / Num salto sobre os edifícios
Da cidadela em pleno espetáculo / Do bombardeio do século
Em nossos corpos minúsculos / se comparados aos astros e aos sonhos...
juntos, dilacerados nos escombros / da Catedral
E as enfermeiras do hospital de playmobil / Terão muito trabalho este Natal
Quando os helicópteros chegarem com os sedentos de amor
E de sangue e da dose de tramadol / Querendo abrigo do frio, embaixo do seu lençol...
Fogem da chuva, é um toró do cão...
E o único abrigo do frio / tá em baixo do seu avental
Fuja pra chuva, é um toró do cão...
eu também quero o seu mel, mas o medo / do meu próprio reflexo
Nos seus olhos de fogo-fátuo / Me prende ao mero exercício
De sorver seu hálito em silêncio / Abissal...
Sem partir depressa / Pra dentro do desconhecido
pois nem a prática do hipnotismo / Nem as leis gerais do magnetismo
Nem a carteira do clube de pára-quedismo / Me ajudam a achar seu colar de crisântemos
Após vagar entre os fiordes e os pântanos / Atrás do aroma de cânfora e absinto
Que sai dos seus cachos contra o vento / Como dos fiéis saem os suspiros
Da fé que sobe até os sinos / Da catedral.
Track Name: O Amor nas Jornadas de Junho
O AMOR NAS JORNADAS DE JUNHO
1.
A)
D C
Você foi embora.
Zero hora, horário
de Brasília (2x)
Você foi embora
deixou um rastro com o brilho de sua presilha
deixou no carro um presente, um amuleto
B)
G7
IMPOSSÍVEL SUCURSAL
E/G# A7(4) A7
DO SEU AFETO, DO SEU AFETO

2.
A)
D C
E eu peguei a estrada
não fiquei a espera de
OUTROS OUTUBROS (2x)
então não me venha agora
bancando a enfermeira carinhosa
bancando a garçonete seminua
B)
G7
DIZENDO QUE ERA MINHA
E/G#
PRISIONEIRA
G7(4) G7
MINHA PRISIONEIRA

REFRÃO

G F Em
Não é só a neblina que encobre os palácios
G F Em
O que prende as princesas ao dragão
G F Em
Num velho apê de móveis em liquidação
G F Em
Eu sei que fui o seu melhor vilão
F C
Melhor vilão
F G
Melhor vilão
(2x)

B)
Porque a justiça tarda
Mas eu fiquei com a guarda
DA CRIANÇA ETERNA (2x)
A estrada é escura
mas o que não falta aqui é pilha
e lanterna
o que não falta aqui é graça
e a astúcia
G7
QUE É SÓ O QUE CURA A TARA LUSITANA
E/G# G7(4) G7
DA SAUDADE.. CHEGA DE SAUDADE!
G7
NÃO PEÇO MAIS NADA DE TI,
E/G# G7(4) G7
PESSOA FÍSICA, PESSOA FÍSICA

REFRÃO
G F Em
Só não zombe da tristeza dos palhaços
G F Em
como um deles eu cumpri minha missão
G F Em
de entreter minha rainha em tempos de revolução
G F Em
você fugiu da guilhotina mas eu não
G F Em
eu fui de cabeça erguida até o chão
F C
até o chão
F G
até o chão
(2x)
Track Name: Valsa da Língua
VALSA DA LÍNGUA
(Simplicio Neto)

1.
D7 G7
Eu quero que ela me esqueça
F7 D7
Eu quero que ela me lamba
G7 F7
Façamos uso dessa língua
Em7 F7
Ibérica e mediterrânea
G7 F7
Eu nunca dei trégua a essa mágoa
Em7 F7
Você nunca foi muito romântica
Em7 F7
O Mito da Mulher Diáfana
F#m7 G7
Nunca foooooooiii
D7 C
romântica... insólita
D7 F#m7 F7
eletrica ... ou sempre... foi....

2.
D7 G7
Eu quero que ela adormeça
F7 D7
No colo de sua inimiga
G7 F7
Caso isso aqueça esse sofá da sala
Em7 F7
Agradeça ao Campari com tônica
G7 F7
Agradeça a graciosa amargura
Em7 F7
Das luzes da Avenida Atlântica
Em7 F7
O botão do florão da América
F#m7 G7
Da Aveeeeeeee- niiiiiiii da
D7 C
Erótica... Estúpida...
D7 F#m7 F7
Histórica... Aveeeeniiiii- daaaa ...

CHORUS
D D/C G/B C/B G Bb
Depois vamos pra Praça Serzedelo Correa, Correa
D D/C G/B C/B G Bb
Onde nunca custa caro a carícia alheia, alheia
C Bb
Onde com a Empáfia de um Polícia
C F C
disse: “Aos Mortais o Pão, aos Deuses as Ambrosias!”
Bb F C
aos Mortais o pão, só aos Deuses as Ambrosias! (2x)

3.
D7 G7
Nas nuvens e astros distraída
F7 D7
Ela é do tipo que nunca tropeça
G7 F7
Desse amor guardei só uns retratos
Em7 F7
junto com os frascos de anti-histamínicos
G7 F7
Analgésicos e ansiolíticos
Em7 F7
na gaveta com o Cântico dos Cânticos
Em7 F7
na gaveta com a Bíblia de Gideão
F#m7 G7
Na gaaaaa--- veta
D7 C
A Música! A Cândida!
D7 F#m7 F7
A Mágica... na gaaaaa-veeeetaaaa....

CHORUS
D D/C G/B C/B G Bb
Graças aos meus dons e a uns bons trânsitos.., de Vênus... de Vênus
D D/C G/B C/B G Bb
Conheci os seus sonhos e os seus seios morenos, morenos
C Bb
Mas é sempre aquela história!
C F C
é transitória toda a glória do mundo!
(you know)
Bb F C
é transitória toda a glória do mundo!
(for sure)
Bb F C
é transitória toda a glória do mundo!
(my lord)
Track Name: Velha Igreja
Epopéia lusotropicalista

VELHA IGREJA (Simplício Neto)
1.
VERSE “A”
nave da velha igreja / manhã lua nova
mulher minha esposa / cegonha de espanha...
cegonha…
VERSE “B”
senhora dona santanna / sumo de cana duquesa
aroma alfazema / cereja e cachaça...
senhora...
REFRAIN
dona santanna senhora (2x)
dona santanna

2.
VERSE “A”
chuva telha de amianto / me assusto me encanto
acordo de pronto / mas sonho no entanto
mas sonho...
VERSE “B”
com a lagarta no muro de hera / prisão madresilva
o inseto esperança / e a bailarina de louça...
E a lagarta...
REFRAIN
no muro de hera a lagarta (2x)
a lagarta...

3.
VERSE “A”
obra na curva da estrada / um radar acusa
quem vence a distancia / e risca a neblina
e se arrisca...
VERSE “B”
na névoa da curva da estrada / perto do radar descansa
um ninho de andorinha / e uma alma andarilha
descansa...
REFRAIN
na névoa da estrad’alma andarilha (2x)
alma andarilha...

4.
VERSE “A”
mas dentro de ti o cidade / eu ganho idade
eu perco metade / do tempo que evade
do tempo...
VERSE “B”
em frente ao sensor de presença / a moça se apressa
em entrar na empresa / é a noite, hora extra...
esfria...
REFRAIN
seu café expresso esfria (2x)
esfria...

5.
VERSE “A”
sereia da maré vazante / é o desenho no estandarte
de um girassol no poente / de um gavião no horizonte
de um gavião
VERSE “B”
da egua sultana és a crina / do galo galego és a crista
quem dera banhar contigo / nas vagas do mar de Vigo
sereia...
REFRAIN
da maré vazante sereia(2x)
sereia...